Wikia

Base Escoteira

Primeiros socorros

Discussão0
130 pages em
Este wiki

==

Conteúdo do cabeçalho Editar

'Texto em negrito' == Primeiros Socorros base escoteira                                                                   


- Prevenir
  - Alertar
- Socorrer

Prevenir Trata-se de diminuir o número de acidentes ou (na impossibilidade de os impedir) minimizar as suas 

              Origem                                                            Vaso lesionado

Externa Interna visível Interna invisível

        Arterial 
        Venosa 
        Capilar 
        xoxoxtera


Hemorragia interna visível

Hemoptises – o sangue sai através da boca e provem dos pulmões Procedimento: → arejar o local para a vítima poder respirar de forma mais eficaz; → desapertar as roupas no pescoço, tórax e abdómen; → sossegar a vitima e explicar-lhe que é necessário acalmar--se; → se consciente_ tentar que a vítima respire pausadamente para evitar a tosse; → se inconsciente _ colocá-la em PLS; → promover a evacuação para o serviço de urgência.

Hematemese – o sangue sai através da boca e provem do tubo digestivo Procedimento: → se consciente, tentar evitar o vómito; → colocar um saco de gelo sobre o abdómen; → conduzir a vítima ao serviço de urgência.

Epistaxis – quando o sangue sai pelo nariz Procedimento: → colocar a vítima com a cabeça direita no alinhamento do corpo; → fazer compressão com os dedos polegar ou indicador, durante cerca de 10 minutos; → aplicar frio no local através do uso de gelo; → promover o transporte para o serviço de urgência.

Hemorragia interna invisível

Sinais e sintomas

  1. dor local ou irradiante;
  2. sede (sempre que há perda de líquidos orgânicos em quantidade);
  3. zumbidos;
  4. gradual dificuldade de visão;
  5. pulso progressivamente rápido e fraco;
  6. respiração progressivamente mais rápida e superficial;
  7. outros sinais e sintomas de choque.

Procedimento: → arejar o local para a vítima poder respirar de forma mais eficaz; → desapertar as roupas no pescoço, tórax e abdómen; → sossegar a vitima e explicar-lhe que é necessário acalmar--se; → se consciente_ instalar a vitima numa posição de conforto, movimentando-a o menos possível; → se inconsciente _ colocá-la em PLS; → manter a temperatura corporal; → promover a evacuação para o serviço de urgência.

Hemorragia externa

O objectivo nestes casos é o de parar a perda de sangue_ através da compressão manual directa ou indirecta

Compressão manual directa – consiste em aplicar sobre a ferida que esta a sangrar um penso. Não deve ser aplicada quando no local existir um corpo estranho ou uma fractura. Procedimento: → deve-se fazer compressão com os dedos ou a palma da mão na ferida; → aplicar uma ligadura por cima do penso apertando o suficiente para estancar a hemorragia; → se o penso se ensopar de sangue, não deve ser retirado, mas sim colocar outro por cima, fazendo uma compressão mais forte.


Compressão manual indirecta – consiste em comprimir o vaso sanguíneo (artéria) responsável pela irrigação da zona da ferida que sangra, de encontro ao osso que lhe seja próximo, num ponto entre o coração e o local da hemorragia.

Hemorragia externa sem gravidade – são relativamente vulgares e sangram pouco. Apesar de o sangue poder sair em toalha de todas as partes da ferida, depressa parará por si. Procedimento: → lavar a ferida com água corrente; → secar cuidadosamente a ferida e a pele; → proteger a ferida com uma compressa esterilizada; → colocar penso adesivo; → se a hemorragia persistir fazer compressão directa.


Feridas

Ferida é uma rotura provocada na pele, podendo ser superficial ou profunda e atingir uma pequena ou grande extensão. Complicações » infecção; » hemorragia; » choque; » lesões de nervos e tendões; » lesões de órgãos internos.


Procedimento : → acalmar a vítima, saber como se feriu e se tem em dia a vacina do tétano; → expor a zona da ferida para se poder observar cuidadosamente; → nunca falar, tossir ou espirrar para cima de uma ferida ou penso; → ter unhas cortadas e mãos lavadas com água e sabão; → lavar/ desinfectar a ferida com água corrente e sabão e solução anticéptica; → colocar um penso e fixa-lo com ligadura ou adesivo.


Corpos estranhos

Caso o corpo estranho esteja encravado NUNCA se deve remover.

O que se pode então fazer? → apertar os bordos da ferida ao longo do corpo estranho; → fazer e colocar uma rodinha de gaze ou algodão em volta da ferida, tendo em atenção que o objecto deve ficar abaixo da rodinha; → fixar a rodinha; → transportar a vítima para o serviço de urgências.





Lesões osteoarticulares

São as que afectam os ossos ou articulações sob acção directa ou indirecta.

Lesões Articulares

  Entorse/Luxação


Lesões musculares Distensão/ Cãibra Lesões ósseas

Fracturas Fracturas – uma fractura é um osso partido ou estalado, perdendo este a sua continuidade. Podem classificar-se em fechadas e expostas. Fracturas Fechadas – quando não existe ferida no foco de fractura Fracturas Expostas – sempre que há ferida e visualização do foco de fractura

Sinais e sintomas

  1. dor no local;
  2. edema;
  3. deformação;
  4. encurtamento do membro;
  5. perda da mobilidade normal;
  6. mobilidade anormal;
  7. crepitação óssea.


Procedimento : → expor o local da fractura cortando a roupa que o envolve; → não movimentar a vitima com suspeita de fractura de coluna; → despistar sinais de dificuldade respiratória ou hemorragia; → imobilizar a fractura, impedindo todo o movimento na articulação acima e abaixo do foco da fractura, com a execução de uma tala; → se possível elevar a zona lesionada depois de imobilizada e colocar a vitima em posição confortável; → promover o transporte da vitima em segurança ao serviço de urgência.

Procedimento nas Fracturas expostas: → controlar a hemorragia; → nunca tentar reintroduzir o osso; → colocar rodinhas em volta do ferimento, de forma a não exercer pressão sobre ele; → colocar compressas, ligaduras e talas necessárias para cada caso; → promover o transporte para o serviço de urgência.

Procedimento nas Fracturas do tronco: → despistar qualquer sinal ou sintoma de compromisso respiratório; → colocar a vítima reclinada, com a cabeça e os ombros apoiados e o corpo inclinado para o lado lesionado (comprime a parte afectada e deixa livre para a expansão respiratória a parte boa); → imobilizar e suspender o membro do lado lesionado; → se a vitima estiver inconsciente ou se a ventilação se tornar ruidosa ou difícil colocar em PLS, com o lado lesionado voltado para cima, transportar serviço de urgência.

Procedimento nas Fracturas pélvicas: → colocar a vitima de costas, com as pernas esticadas, ou ligeiramente flectidas e apoiadas num cobertor enrolado; → imobilizar os membros inferiores com ligaduras nos joelhos e nos tornozelos; → promover o transporte para a maca, sempre em bloco, e depois para o serviço de urgência.

Procedimento nas Fracturas da face: → estar atento à ventilação da vitima, mantendo a via aérea desobstruída; → sentar a vitima, se estiver consciente, com a cabeça inclinada para a frente, para permitir a saída de secreções; → se a mandíbula estiver descaída e desalinhada, colocar uma ligadura em volta e prender no cimo da cabeça; → se a vitima estiver inconsciente ou com compromisso de funções vitais, recorrer aos procedimentos do SBV; → promover ao transporte para o serviço de urgência.

Entorses – é uma lesão que ocorre num articulação quando os ligamentos e tecidos que a circundam são bruscamente torcidos ou rasgados.

Sinais e sintomas:

  1. dor forte, no local do acidente que aumenta com o movimento;
  2. edema (inchaço) na região articular;
  3. equimose, em alguns casos.
Procedimento:

→ estabilizar, imobilizar e apoiar a zona lesionada, na posição mais confortável para a vitima; → elevar, se for um membro; → aplicar um saco de gelo; → se existirem duvidas, proceder como se fosse uma fractura.

Luxações – é o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação. Ocorre quando uma força violenta actua directa ou indirectamente numa articulação, empurrando o osso para uma posição anormal.

Sinais e sintomas:

  1. dor violenta;
  2. impotência funcional;
  3. deformação;
  4. edema;

Procedimento: → instalar a vitima em posição confortável; Imobilizar sem fazer qualquer redução; → prevenir/combater o choque; → promover o transporte até ao serviço de urgência;

Cãibras – define-se como sendo uma contracção sustentada, involuntária e dolorosa de um músculo ou de um conjunto de músculos, provocada por situações de fadiga muscular, sudação abundante ou qualquer outra situação que provoque desidratação.

Sinais e sintomas:

  1. dor local, de instalação súbita;
  2. rigidez muscular;
  3. edema.

Procedimento: → distender os músculos afectados forçando o seu relaxamento; → massajar suavemente o local; → aplicar, localmente e de forma indirecta, calor.


Traumatismos

Lesão ou um conjunto de lesões localizadas numa determinada região do corpo, resultante de acidente ou agressão, manifestada em órgãos internos ou externos. Podem classificar-se em:

Abertos Ex: ferida perfurante do tórax com fractura de costelas ou ferida abdominal com evisceração (saída dos órgãos internos através da ferida) Fechados Ex: concussão (pancada) craniana sem ferida ou atropelamento com fractura do braço.

Complicações » hemorragia; » choque; » paragem cardiorespiratória; » perda de conhecimento; » alterações da força e sensibilidade; » paralisias. Traumatismo crânio-encefálico – um traumatismo crânio-encefálico é provocado por uma violência externa que origina lesões a nível do encéfalo, as quais podem ter consequências neurológicas graves ou provocar a morte por destruição de zonas vitais.

Sinais e sintomas:

  1. dores de cabeça;
  2. alterações da consciência;
  3. diminuição da lucidez;
  4. alterações do equilíbrio;
  5. sonolência;
  6. alterações do comportamento;
  7. náuseas/vómitos;
  8. hemorragias externas ou internas;
  9. saída de líquido cefalorraquidiano pelo nariz ou pelo ouvido;
  10. alteração do diâmetro das pupilas (miose-/ midriase - dilatação);
  11. perda de sensibilidade ou paralisia do corpo do lado contrário à lesão encefálica.

Procedimento: → rigoroso exame geral da vitima; → se houver ferida, colocar um penso e cobri-lo com uma ligadura; → se houver fractura, proteger a zona com uma rodilha e ligadura; → não dar nada a beber; → prevenir o choque; → vigiar as funções vitais; → promover o transporte até ao serviço de urgência.


Traumatismo facial – são situações muito aparatosas porque são, geralmente, acompanhadas de: - hemorragias externas; - lesões da cavidade bocal; - lesões das fossas nasais; - lesões na parte anterior do pescoço.

Procedimento: → libertação das vias aéreas superiores; → colocar um penso oclusivo se existir lesão ocular; → prevenir o choque; → colocar a vitima de acordo com o seu estado de consciência; → promover o transporte para o serviço de urgência.

Traumatismo das extremidades – pode-se definir como sendo uma lesão provocada pela separação de um membro, ou parte deste, do resto do corpo.

Sinais e sintomas:

  1. sinais e sintomas de choque;
  2. sinais e sintomas de hemorragia;
  3. ferida complicada.

Procedimento: Se houver hemorragia → estancar a hemorragia através da compressão manual indirecta e com elevação do membro afectado; → colocar um penso e posteriormente uma ligadura; → prevenir o choque; → vigiar as funções vitais; → promover o transporte para o serviço de urgência. Se não houver hemorragia → colocar um penso e posteriormente uma ligadura; → elevar o membro; → prevenir o choque; → vigiar as funções vitais; → promover o transporte para o serviço de urgência.


Alterações do estado de consciência

Agentes causadores da alteração do estado de consciência - alcoolismo agudo; - dor pré-cordial; - epilepsia; - acidente vascular cerebral; - dibetes.

Alcoolismo agudo – o alcoolismo ou etilismo agudo é consequência da ingestão de bebidas alcoólicas, acima dos limites de tolerância do organismo.

Sinais e sintomas:

  1. hálito característico a álcool;
  2. falta de coordenação de movimentos;
  3. dificuldade na articulação das palavras;
  4. respiração irregular e acelerada;
  5. congestionamento facial/palidez;
  6. sudorese abundante com arrefecimento generalizado.

Procedimento:

Vítima consciente → eliminar o conteúdo gástrico provocando o vómito; → dar bebidas fortemente açucaradas; → manter a temperatura corporal; → vigiar as funções vitais. Vítima inconsciente → manter a via aérea permeável; → colocar a vitima em posição lateral de segurança; → manter a temperatura corporal; → vigiar as funções vitais; → promover o transporte para o serviço de urgência.


Dor pré-cordial – se ocorrer uma diminuição ou interrupção súbita de sangue oxigenado ao miocárdio, este pode entrar em sofrimento.

Sinais e sintomas:

  1. sensação de desconforto toráxico;
  2. dor de localização retro-esternal e de carácter opressivo, com irradiação para o pescoço e membro superior esquerdo;
  3. angústia, ansiedade e agitação;
  4. náuseas e vómitos;
  5. sudorese;
  6. respiração difícil;
  7. pulso rápido fraco e irregular;
  8. crise de hipertensão ou hipotensão;
  9. flatulência.
Procedimento:

Vítima consciente → evitar qualquer tipo de movimento; → colocar a vitima numa posição confortável, sempre com o tronco ligeiramente mais elevado. Vítima inconsciente → colocar a vitima em PLS; → manter a temperatura corporal; → averiguar se toma medicação especifica; → promover o transporte para o serviço de urgência.


Epilepsia – doença neurológica de causa variada, relacionada com uma alteração de condução dos estímulos/impulsos nervosos. Existe o pequeno mal epiléptico e o grande mal epiléptico.

Sinais e sintomas:

Pequeno mal epiléptico

  1. alterações de comportamento;
  2. ausências/alheamento. Vítima inconsciente
  3. fase aura;
  4. fase tónica;
  5. fase clónica;
  6. fase pós crítica.


Procedimento:

Pequeno mal epiléptico → acalmar e colocar a vítima em posição confortável; → se necessário, promover o transporte para o serviço de urgência. Vítima inconsciente → desapertar as roupas ao nível do pescoço, tórax e abdómen; → prevenir a alteração da função cardio-respiratória mantendo a via aérea permeável;

→ impedir a auto-mutilação, afastando objectos e protegendo a cabeça e membros superiores;

→ colocar a vítima de acordo com o seu grau de consciência; → vigiar as funções vitais; → promover o transporte para o serviço de urgência.


Acidente vascular cerebral (AVC) – é o resultado de perturbações da circulação do sangue oxigenado nas estruturas encefálicas. Existem dois tipos de AVC: os isquémicos e os hemorrágicos. Os isquémicos podem ocorrer através de uma trombose ou uma embolia, podendo ainda ocorrer acidentes vasculares transitórios (AIT). Os hemorrágicos ocorrem através de hemorragias cerebrais.

Sinais e sintomas:
  1. perda brusca do conhecimento;
  2. compromisso motor traduzido na descoordenação, no descontrolo ou mesmo na incapacidade de realização de movimentos;
  3. dificuldade na articulação de palavras;
  4. anisocória (pupilas com tamanhos diferentes);
  5. paralisia facial;
  6. incontinência de esfíncteres;
  7. palidez.


Procedimento: → reduzir a tensão emocional, mantendo um ambiente tranquilo, afastando as pessoas e incutindo confiança; → promover o estímulo verbal; → manter a via aérea permeável; → desapertar as roupas ao nível de pescoço, tórax e abdómen; → promover o transporte para o serviço de urgência.

Diabetes – a relação que se estabelece entre os hidratos de carbono (açucares) e a insulina, é em circunstâncias normais, uma relação de equilíbrio. Quando isso não acontece surge a hiperglicémia e a hipoglicémia.

Sinais e sintomas:

Hiperglicémia

  1. fadiga crescente;
  2. respiração rápida, profunda e irregular;
  3. pulso rápido;
  4. hálito adocicado a fruta ou a acetona;
  5. face rosada e aspecto congestionado;
  6. inconsciência - coma Hipoglicémia
  7. sensação de fraqueza/fome;
  8. palidez acentuada;
  9. sudorese abundante e fria;
  10. pele pegajosa;
  11. respiração superficial;
  12. parastesias no rosto e nas mãos;
  13. convulsões – coma.


Queimaduras

As queimaduras são lesões na pele que podem ser provocadas pelo calor e pelo frio, ou também pela electricidade ou produtos químicos.

Pelo calor Procedimento: → apagar as chamas usando um cobertor ou rolando a vitima no chão; → retirar roupas, relógios e pulseiras que NÃO estiverem colados á pele; → resfriar a região queimada com água corrente por 10 a 15 minutos; → não romper bolhas de água; → cobrir toda a área queimada com compressas esterilizadas molhadas em soro fisiológico ou água limpa; → não oferecer medicamentos ou alimentos á vítima; → promover o transporte para o serviço de urgência.

Solar Procedimento: → aplicar creme e se o desconforto persistir pode-se colocar compressas ou um pano húmido sobre a queimadura; → se for demasiado dolorosa ir ao médico.

Por produtos químicos – nos olhos Procedimento: → lavar os olhos da vitima imediatamente com água em abundância por 10 a 15 minutos; → se apenas um olho foi atingido este devera ficar para baixo evitando que a água da lavagem escorra também para o outro olho; → pedir ajuda para transportar a vitima para o hospital, deve-se fazer lavagem em ambos os olhos durante todo o caminho com compressas humedecidas, mesmo que apenas um deles tenha sido atingido.

Por electricidade Procedimento: → não se aproximar, se houver corrente eléctrica activa, fios soltos ou água no chão; → desligar a corrente (caso seja possível); → afastar a vitima da fonte eléctrica com um objecto seco não condutor como por exemplo o cabo de uma vassoura; → contactar o serviço de urgência.


Envenenamentos

Veneno – Substância que ao entrar no corpo em quantidade suficiente, pode causar lesões temporárias ou permanentes.

Sinais e sintomas:

  1. a vitima pode delirar e ter convulsões;
  2. sinais de falta de ar
  3. náuseas / vómitos e/ou diarreia
  4. queimaduras em volta da boca
  5. a dizer coisas sem sentido
  6. pode verificar-se inconsciência.


Procedimento: → se a vítima estiver consciente, deve-se perguntar: - qual o veneno? - qual a quantidade? - há quanto tempo? - como o tomou? - a idade e o peso → procurar manchas ou odores que possam caracterizas os produtos; → procurar frascos, garrafas, envelopes, frascos de remédios a fim de identificar o produto que causou o acidente; → lavar a pele, olhos e regiões que possam estar em contacto com o produto, causando maior absorção e potencializando a intoxicação; → não provocar o vómito em caso de intoxicações por corrosivos ou hidrocarbonetos (em caso de dúvida não provocar o vómito); → contactar o serviço de informação e venenos , e entrar em contacto com o serviço de urgências; → Se a vitima ficar inconsciente, seguir o ABC; → transportar a vítima sem demora até ao serviço de urgência.

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória